Era outubro de 2009, primeira aula do meu curso de MBA em Marketing da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São José dos Campos. Logo no primeiro encontro o professor faz o seguinte comentário“Quando for comprar um aparelho eletrônico e estiver na dúvida entre Samsung e LG, compre qualquer um, pois a Samsung está copiando tudo que a LG faz!!!”, neste momento me lembrei que, duas semanas antes eu havia ido a uma loja comprar um aparelho novo de celular, com a ideia já concebida de optar por um modelo da LG que  tinha visto em outra loja anteriormente, porém, ao iniciar a conversa com o vendedor ele me disse que o aparelho da LG era o último disponível, o modelo da vitrine e já tinha sido bastante utilizado em testes, etc, e me mostrou um modelo da Samsung, chamado Samsung Star e me disse “…este aparelho é idêntico ao que você quer, o mesmo design, preço, aplicativos, a única exceção é que a câmera tem 0,2 megapixels a mais!”. Convencido pela conversa do vendedor, levei o aparelho da Samsung.

Naquele momento, LG e Samsung estavam longe de competir pelo mercado “TOP” de celulares (posto ocupado na época por Apple e BlackBerry), competiam pela fatia intermediária, com aparelhos entre R$ 300,00 e R$ 1.000,00, se mostrando uma alternativa a quem quisesse um pouco de tecnologia com preços acessíveis.

Passa o tempo e hoje, com uma rápida busca nos sites de comparação de preços, podemos perceber que o preço do aparelho “Galaxy S4” (último modelo de smartphone da Samsung) custa entre R$ 2.099,00 e R$ 2.299,00, enquanto o preço de um Iphone 5 (último modelo da Apple), está em média R$ 2.399,00, ou seja, praticamente a mesma coisa, isso sem contar que os designs são próximos e os aplicativos para Android (Sistema operacional utilizado nos gadgets da Samsung) são quase os mesmos utilizados nos IOS (Sistema Operacional da empresa da maçã), salvo algumas exceções.

O que vemos então é que a Samsung deixou de competir única e exclusivamente pela fatia intermediária e passou a brigar pela fatia de clientes premium do mercado de celulares e smartphones, e conseguindo assim, resultados incríveis, culminando na primeira colocação entre as empresas que mais vendem smartphones, deixando a Apple com o segundo lugar; no ano de 2012 a Samsung subiu de 12,3% de participação de mercado (em 2011), para 20,8%, enquanto a Apple passou de 16,3% de participação em 2011, para 18,2% em 2012, de acordo com a empresa de consultoria IDC.

Mas a pergunta que fica é, como isso pôde acontecer? Será que na ausência de Steve Jobs, a empresa da maçã ficou sem um líder que lhe indicasse o caminho? Será que a Samsung viu algo que seus concorrentes não viram? Outros com menos teorias administrativas e mais crendices, perguntarão, será que foi sorte?

Fato é que fica difícil responder, estando de fora e analisando somente com o que é possível enxergar e podemos até dizer que é um pouco de cada coisa destas listadas acima, porém vamos analisar alguns fatos interessantes:

1)  Perda de mercado da BlackBerry – A empresa que antes se mostrava uma opção para quem não desejava ter um iPhone, veio através dos anos sofrendo perdas e mais perdas em sua participação do mercado, agravadas em muito pelo seu sistema operacional, que oferecia poucas variedades de aplicativos, que hoje são considerados algumas das principais funções de um aparelho.

2)  Atualização dos aparelhos Samsung – Os modelos da Samsung sofreram atualizações que o deixaram melhores para concorrer com as “estrelas” do mercado. Telas mais sensíveis ao toque, design fino, e o principal, uso dos sistemas operacionais Android, que permitiram aos usuários várias funções que antes só eram vistos nos aparelhos Apple.

3)  Diminuição do “encanto Apple” – Enquanto para as gerações anteriores, o sonho de consumo era um aparelho Apple, em especial um Iphone, para as novas gerações este cenário vem mudando, parte por problemas técnicos apresentados pela empresa e pela falta de inovação perceptível, mas principalmente, por que a “Apple virou a marca dos mais velhos”, isso porque a geração atual vê os pais e tios usando os aparelhos da marca com frequência e se mostrando fãs da maçã, dessa forma, e como parte da “rebeldia adolescente” de querer ser diferente, a Apple deixou de ser objeto de desejo de muitos, e o efeito acaba sendo viral. Pois o jovem quer consumir o que consome os outros jovens.

Longe de ser uma jogada de sorte, com certeza a Samsung conseguiu enxergar estes acontecimentos e muitos outros não listados aqui, e se lançou como uma opção “Jovem”, “Atual” e “Moderna” para ocupar o espaço deixado por Apple e BlackBerry. Dessa forma, vem obtendo sucesso em sua nova estratégia de mercado e posicionamento, sendo cada vez mais uma marca “cool” e consumida por muitos.

Porém é bom ficarmos atentos, pois neste mercado de tecnologia a dança das cadeiras é constante e a Nokia está entrando na briga também, com a linha Lumia, apoiada no novo sistema operacional Windows Phone, muito elogiado por quem já o utiliza, fiquemos atentos e aguardemos cenas dos próximos capítulos.

 

*Artigo publicado também no portal Administradores – link:
http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/a-mudanca-de-estrategia-e-posicionamento-de-mercado-da-samsung/72612/